quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Delírio consciente

o mar é calmo, longo e azul
remo insistentemente
o sol aflige os olhos
o sal corrói a pele
penso o já escrito
"navegar é preciso
viver não é preciso".

não avisto embarcações
cais, faróis, marinheiros
minha estrela guia
está além das nuvens

o mar é calmo,
o coração é louco
frenético, preguiçoso.

será ainda o mesmo dia
ou já será o amanhã?
não recordo escuridões
o clarão sufoca a visão.

nenhum cais novamente
o mar é calmo
as ondas firmes
os peixes raros,

é preciso navegar
navegar insistentemente.

a brisa ou a fúria me atacam o rosto,
não há destino para um coração louco.

seguro o leme, o bato na água com força
já não me encontro no mar.





domingo, 14 de abril de 2013

Make

Talvez a solução para toda mulher triste
seja retocar a maquiagem.
Deixar os cílios marcados,
a pele lisa, a boca incandescente.
Fazer a beleza do rosto
iluminar o globo do olho
e o canto da alma.
Brilhar mais que a dor.

Porém, toda mulher triste
deve evitar o lápis de olho,
que involuntariamente
induz a tragédia:
a lágrima sorrateira
que borra a maquiagem.

Depois, com o cabelo arrumado,
é preciso admirar-se em frente
ao espelho até que de repente,
numa fração de segundos inesperados,
se esboce um sorriso
tímido e envergonhado.

Mantenha-se olhando no espelho
no globo do olho e no canto da alma,
até que esse sorriso,
antes tímido e envergonhado,
seja natural.

Linda e irradiante,
não haverá mais espaço para dor.
Só deslumbre e encantamento,
nenhuma dor resiste a uma mulher bonita.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Tive paixões tão brutas
Que lavei a alma em sangue alheio.
Vezenquando me pego pensando
Ainda devo chorar vermelho.

sábado, 21 de agosto de 2010

Este
sentimento
louco
é pouco
ou
é oco.
A vida é mais completa do que parece.
A vida também é como parece.
A vida às vezes é uma prece.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

prazer
da pura percepção
os sentidos
sejam a crítica
da razão

*Paulo Leminski

Algodão

Queria
ser
o algodão,

a cumulus
que deságua
no verão.

Tímida
e clara,

gota a gota
em direção
ao chão.