sábado, 7 de março de 2009

Estilhaços de Álvares de Azevedo

I

Um bolo indigesto,
Intragável,
Que se juntava aos demais com o passar do tempo.
Uma necessidade,
Um desejo,
Deus era um frio que brotava de dentro,
Que ardia nos ossos,
Emaranhava-se as dores,
Penetrava a carne.
Eu sentia cada vez mais medo,
Cada vez mais frio,
Cada vez mais,
Mais
E
Mais.
Frio.
Deus,
Eu menina
De
Mãos congeladas
Queria chorar,
Nevava em alto mar.




II

Devia se isolar do mundo,
Devia esquecer
Sim, devia esquecer.
A morte vem sempre tão impiedosa,
A morte vem como salvação
Como cura dos males,
A morte vem
Me diz oi,
A morte,
A morte impiedosa.

Nenhum comentário: