terça-feira, 16 de junho de 2009

Tão só...

Você tem se sentindo tão só. Tem se sentido cada vez mais estrangeiro em sua terra, e talvez essa não seja mesmo a sua terra. Não a terra que seus olhos mereciam ver, não as pessoas que estariam aptas a reconhecer sua alma.
Você tem chorado no escuro, tem ouvido diversas vezes a mesma canção e dentro de si sente que existe vida. Uma vida linda e forte que aguarda ansiosamente pelo momento em que irá brotar, irá transparecer à sua face revertendo anos de clausura amarga. E você chora, chora de saudades dos dias que virão sem ter exatamente certeza de que eles virão.
E sente um gosto parvo na boca, sua essência tem sido parva, nula. E você quer mais, você naturalmente precisa de mais, precisa de excessos, precisa transgredir regras morais que você nunca obedeceu, precisa se libertar de um ego inferior e que te arrasta para fossas sem fins e vazios discrepantes.
Tarde de verão, você tem se sentido tão só. Os mesmos vícios de pensar e sentir, o mesmo ar sonele do quarto, a mesma vista rubra da janela. Você precisa sair, você precisa abandonar as raízes, precisa vislumbrar campos, estourar dores.
Você tem se sentido tão só, tão só...

2 comentários:

Jussara Bolsanello disse...

Eie.... Amei deu blog...Seus textos... Esse me fez lembrar de minha casa, minha cidade-natal, minha família, amigos...etc...
Parabéns minina... Escreves bem!!!
To te seguindo!!
Bjao

Catherine Castanho disse...

Olá!

=)

Muito obrigada, seja bem-vinda!

Beijão
;*